Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Jornada de um Estudante

Um Blog sobre aprender, ensinar e criar online.

A Jornada de um Estudante

Um Blog sobre aprender, ensinar e criar online.

02 Ago, 2020

Quando pedir ajuda?

Ninguém sabe tudo e é bom ter consciência disso. É importante saber que não sabemos algo e que, existindo alguém que sabe, temos de ter a coragem de pedir ajuda. Porque pedir ajuda não é um sinal de fraqueza, mas sim um sinal de força. Tudo em prol da aprendizagem. Contudo, isto não significa que devemos pedir imediatamente ajuda a qualquer problema que nos aparece Ao depararmo-nos com um problema, a pesquisa autónoma pela resposta é quase tão importante quanto a resposta em (...)
Ontem passou pelo Twitter uma montagem de um vídeo de Mark Zuckerberg (podem vê-la aqui), que tanto me deu para rir como para arranjar tema para o post de hoje. Ao longo da paródia, Zuckerberg ia falando sobre a carne que estava a defumar para o jantar até que ele disse algo especialmente interessante. "Things tast better when you make it yourself" Não só relacionado à comida, mas tudo o que é (...)
Se não as tivermos, podemos ficar satisfeitos com o resultado, se as tivermos podemos facilmente ficar desiludidos com ele. Muitas vezes, independentemente do resultado, são as expectativas que damos às coisas que fazem com que fiquemos satisfeitos ou insatisfeitos. Pois se não as tivéssemos, não esperaríamos que algo fosse melhor ou pior do que obtivémos. Isto faz-me pensar.  Se invertermos os papéis e formos nós a apresentar algum resultado a alguém. Muito do que nós dizemos (...)
Muito do que fazemos no dia a dia é baseado no resultado de experiências anteriores. Se elas foram positivas, tendemos a repetir, se negativas, tendemos a evitar. Mas e se repetíssemos também as experiências negativas? Não qualquer uma, mas aquelas que têm potencial para nos fazer crescer. Talvez iríamos aprender mais por aí que indo pelos caminhos seguros. Pensa nisso. Photo by Pablo García Saldaña (...)
Há cerca de um mês e meio atrás, criei finalmente conta no Twitter. Não sei porque demorei tanto tempo, mas foi certamente algo que me tem trazido muito valor. Neste curto período de tempo deu para conhecer excelentes criadores de conteúdo. Cada um com as suas específicas áreas de interesse e cada um único à sua maneira. Sinto que o Twitter, ao contrário de outras redes sociais, está muito mais propenso à divulgação de ideias. Algo que valorizo muito e mesmo eu costumo (...)
Imagem retirada daqui Consegues ver a cara de um homem? Vês apenas a paisagem? Ou consegues ver ambas as figuras? À semelhança dessa imagem, a vida também é muito dependente da perceção que temos dela. Daí conseguindo-se explicar o porquê de várias pessoas vivenciarem o mesmo acontecimento, experienciando-o de formas diferentes. Tudo devido à perceção. A partir do momento (...)
Em 7,8 bilhões de pessoas no mundo, por muito diferentes que sejam umas das outras, existe sempre algumas semelhanças. Mesmo na sua maneira de ser. Existe pessoas para tudo. E, quando pensares que és o único com essas características, não és. Por muito incomum que cada um possa ser, existe sempre alguém que pensa ou se sente de forma semelhante. Podemos não ter essa sensação, certamente por falta de procura, mas elas existem. Photo by Ryan Jacobson (...)
Porque razão é mais fácil dar conselhos aos outros que a nós próprios? Ocorrem-me duas possíveis respostas para esta pergunta. A primeira é porque não se trata da nossa vida. Com um bocado de egoísmo ou não, é mais fácil fazer assunções quando o resultado não nos afeta diretamente. A segunda, e provavelmente a mais importante, é que conseguimos analisar os fatos exteriormente. Vendo-os como realmente são, de forma imparcial e sem emoções à mistura. A partir disto, (...)
Muito se fala das redes sociais e o quão elas podem ser tóxicas para as pessoas que as utilizam. Em parte isso é verdade, há sim a possibilidade delas prejudicarem mais que beneficiam, mas, isso depende do que as pessoas consomem e não da rede social em si. Redes sociais, tais como o Twitter, o Facebook e o Instagram, são apenas plataformas onde é possível a criação e a divulgação de conteúdo. Elas, por si só, não são tóxicas, o que pode ser tóxico é a forma como são (...)
Dias preenchidos com sorrisos, surpresas e memórias. Pequenas coisas que ajudam a abstrair de todas as preocupações que se tem no dia-a-dia. Pequenas coisas estas que, também, muitas vezes não são assim tão valorizadas. Aproveitar o momento e aproveitar o presente. Vivê-lo de tal forma que se consiga vivê-lo também no futuro. Experiências e vivências marcantes não são momentos do presente, acabando por ficarem perdidas no passado. São sim momentos perpétuos que vivem (...)