Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Jornada de um Estudante

Um Blog sobre aprender, ensinar e criar online.

A Jornada de um Estudante

Um Blog sobre aprender, ensinar e criar online.

De acordo com David D. Burns, uma pessoa depressiva vê-se negativamente a partir dos 4 D's: defeated, defected, deserted and deprived. O que leva estes indivíduos a sentirem-se assim acerca de si próprios é a sua baixa auto-estima. Mais uma vez, é a forma como se vêem a si próprios. Quanto mais deprimido estes indivíduos estiverem, mais distorcido os seus pensamentos estão. Como se perdessem a capacidade de pensar claramente. Por isso, quanto mais forem insinuando coisas negativas sobre si próprios, mais eles vão acreditando nisso.

A boa notícia é a que a auto-estima é uma habilidade que pode ser trabalhada. Porque, mais uma vez, não é o que fazemos, como os outros nos vêem ou o que conquistamos que faz com que tenhamos auto-estima. Essas coisas dão-nos satisfação, mas não felicidade. Valor pessoal baseado em conquistas não resulta numa auto-estima real. Não é genuína. 

Com isto, quero apresentar-te dois métodos para melhorares realmente a tua auto-estima:

1. Falar com o crítico interior

Como os sentimentos que tens sobre ti próprio é devido aos pensamentos que tu mesmo tens sobre ti próprio. Pensamentos esses que na grande maioria das vezes tão distorcidos, não representam a realidade. O que tens de fazer é pensar racionalmente.

- Treina-te para reconheceres e escreveres os pensamentos que estás a ter sobre ti próprio no momento que eles passam pela tua cabeça.

- Aprende o porquê destes pensamentos estarem distorcidos.

- Pratica responder a esses pensamentos pensando de forma realista ao que pensaste inicialmente sobre ti.

Com estes passos, podes fazer um tabela. Traças duas linhas verticais: na primeira coluna vão-se encontrar os teus pensamentos automáticos, aquilo que tu pensas de ti próprio  automaticamente; na segunda coluna vai estar as distorções cognitivas que vais tentar identificar de acordo com os teus pensamentos automáticos (se precisares de ajuda podes recorrer à tabela do meu último post); na terceira coluna vais escrever as tuas respostas automáticas, pensando racionalmente sobre aquilo que pensaste em primeiro lugar sobre ti. 

Apresento-te um exemplo de uma tabela de um caso em específico.

IMG_0078.HEIC

2. Contar  as vezes que pensas negativamente sobre ti próprio

- Aponta num papel ou algo que tenhas sempre à mão, o número de vezes que tens pensamentos negativos que te perturbem. No final do dia aponta o total.

Esta técnica pode parecer estranha inicialmente, mas a verdade é que tem resultados positivos. Este método serve para ficares consciente da quantidade de vezes que tens pensamentos negativos sobre ti próprio.

Se utilizares este método, à medida que os dias passam, é possível que o número total vá aumentando. Mas após um tempo, vai chegando a um plateau, vai começando a ficar constante. Até que, começa finalmente a diminuir. Importante referir que este método deve ser usado durante pelo menos 3 semanas.

Espero que estas dicas te tenham sido úteis e não te esqueças, tu tens controlo sobre os teus pensamentos!

 

*** As fotos utilizadas foram tiradas de Feeling Good de David D. Burns, M.D. ***

 

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Gonçalo Gonçalves 13.09.2019

    Exatamente! Claro que o aconselhado é sempre pedir ajuda profissional, por mais que se leia muito e se pesquise, é sempre melhor falar com quem sabe e quem faz daquilo uma vida!
    Obrigado!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.